Assine

Vale do Tua

Vem aí o segundo Tua Walking Fest 

A vista do primeiro trilho a ser pisado na edição de 2024 do Tua Walking Fest. Foto © Rúben Castanheiro
A vista do primeiro trilho a ser pisado na edição de 2024 do Tua Walking Fest. Foto © DR

O seminário inaugural do Tua Walking Fest deste ano tem lugar em Mirandela no dia 23 de março e prossegue no dia seguinte com a caminhada pelo Caminho Português de Santiago do Este e o PR3 MDL – Trilho Entre Rios – um percurso circular de 14,5 km com algum grau de dificuldade. João Neves, proprietário da empresa Portugal NTN, organizadora do primeiro festival, disse ao 7MONTES ter “aumentado o número máximo de inscrições” que subiram de 150 para 250 por causa da forte procura registada no ano passado.

As atividades e caminhadas prolongam-se por todo este ano, iniciando-se na sede dos cinco concelhos que apoiam a iniciativa:  em Carrazeda de Ansiães, nos dias 13 e 14 de abril; em Vila Flor, nos dias 25 e 26 de maio; em Alijó, dias 13, 14 e 15 de setembro; e, por último, em Murça, nos dias 5 e 6 de outubro. O Parque Natural Regional do Vale do Tua (PNRVT) celebrou recentemente um acordo com a empresa para esta continuar a organizar o festival nos próximos três anos.

Este ano, o tema do festival incide na redução de plástico, pelo que não serão distribuídas garrafas de plástico aos participantes: “Com o compromisso de reduzir o impacto ambiental e promover a sustentabilidade, decidimos não disponibilizar garrafas de água durante o evento. Em vez disso, serão colocadas boxes de água em vários pontos de reforço ao longo do percurso, onde os participantes poderão reabastecer os seus próprios cantis ou recipientes reutilizáveis” – refere, em comunicado, a Portugal NTN.

Em relação ao ano passado, houve “um aumento do número máximo de inscrições”, conta João Neves de forma a dar maiores hipóteses “aqueles que não conseguiram no ano passado, se possam inscrever este ano”. As inscrições para o primeiro fecham no dia 3 de março, mas há quem se esteja já a inscrever para os próximos. Quem o pretenda fazer, pode inscrever-se no site do Parque Natural Regional do Vale do Tua [ver aqui]

A paisagem do percurso de Vilarinho das Azenhas, em Vila Flor, o primeiro do ano anterior. Foto © DR
A paisagem do percurso de Vilarinho das Azenhas, em Vila Flor, o primeiro do ano anterior. Foto © DR

João Neves diz que há uma forte procura, mas o número de participantes tem de ser limitado devido à “capacidade logística da região” e neste campo a decisão tem de ser tomada ouvindo cada uma das câmaras dos cinco concelhos envolvidos. 

Outro dos objetivos deste evento é “dar a conhecer a região e mexer com a economia e o movimento das vilas e cidades”, explica João, através do aumento de fluxo de pessoas da zona litoral, como Porto e Lisboa, para que possam “desfrutar de um fim de semana diferente em família e rodeados de natureza”. 

O PNRVT tem procurado, desde a sua criação em 2013, várias formas de dinamizar iniciativas que valorizem o que de melhor existe na região – a beleza paisagística –promovendo, em simultâneo, a cultura da região, a degustação dos produtos locais e o gosto pela natureza. Com este objetivo trabalha com várias empresas, entre elas a de João Neves que propõe caminhadas, escaladas e atividades ao ar livre para grupos de empresas.

Uma das mais recentes iniciativas foi também a criação de um Walkbox. Nessa aplicação, estão disponíveis 20 roteiros, que ajudam os visitantes a esclarecer algumas dúvidas sobre a região que pretendem visitar.

A Portugal NTN está também envolvida na criação e a homologação de percursos pedestres na região de Bragança. Em Abreiro, no distrito de Mirandela, existem já três percursos homologados. O primeiro começa no centro da aldeia; o segundo parte da antiga estação de caminho de ferro até à aldeia; e um terceiro, dos mais longos, passa entre Vieiro e Freixiel. Nestes vários percursos “os caminheiros não querem saber se estão a caminhar no território de Vila Flor, ou de Mirandela, querem é descobrir a natureza, as espécies e observar as micro reservas desses territórios”, refere João Neves. 

As escadas em pedra, introduzidas pela PORTUGAL NTN, em Abreiro, em Mirandela, num dos percursos homologados. Foto © Rúben Castanheiro
As escadas em pedra, introduzidas pela PORTUGAL NTN, em Abreiro, em Mirandela, num dos percursos homologados. Foto © Rúben Castanheiro

É também assim que Liliana Monteiro, 41 anos, animadora sociocultural da Santa Casa da Misericórdia de Vila Flor, vê estas caminhadas. Mora em Vila Flor e já participou em inúmeros percursos pedestres na região de Bragança. Já está inscrita para pelo menos um dos passeios. Diz que alguns deles se destacam pela sua “dificuldade” e pela sua “beleza”. 

Apaixonada pela natureza e pela aventura, vê nestes percursos oportunidades de conhecer, não só novas espécies de fauna e flora, mas também de criar laços de amizade, pois são muitos aqueles que vêm de outras zonas do país. Além de que também ela reforça que nestes circuitos “se dão a conhecer aos visitantes os costumes e os produtos da região, como o fumeiro e a gastronomia”. 

O rio, uma das principais características dos percursos de 2024. Foto © Rúben Castanheiro
O rio, uma das principais características dos percursos de 2024. Foto © Rúben Castanheiro

Escreva à redação

Subscribe To Our Newsletter

Subscribe to our email newsletter today to receive updates on the latest news, tutorials and special offers!